quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Parte XVI - TEATRO FOLLIES - 1953 - Apogeu


Zilco Ribeiro apresentou sua nova produção em 1953, com a apresentação da revista musical, “Mulheres Cheguei”.















Zilco Ribeiro
A vedete Nélia Paula, minha querida amiga e o veterano Colé Santana, então namorados, era a principal atração, precedidos por um elenco de revelações da maior qualidade.
Norbert atuava como coreógrafo, dançarino e figurinista e, Anilza Leoni  encantava o público ao interpretar uma canção de Paulo Soledade.




Mozart Régis (Pituca), nasceu em Florianópolis, aos16 anos iniciou sua carreira como sonoplasta e rádio-ator numa das rádios locais.
Em 1946  ingressou como estreante na Companhia Procópio Ferreira, a qual na época se apresentava em Florianópolis. O jovem Pituca se inscreveu e fez um teste, que foi aprovado pelo experiente  Procópio. Contratou Pituca  como novo ator comediante do elenco, que atuou durante alguns anos com muito sucesso.
Em 1950, Pituca fez um breve retorno a Florianópolis. Já em 1953 veio para o Rio de Janeiro e ingressou no teatro revista, na Companhia de Zilco Ribeiro.
Estreou em “Mulheres Cheguei” e revelou-se um excelente ator cômico, que o Zilco Ribeiro bem soube aproveitar e o manter como contratado durante todo o período de sua temporada no Teatro Follies.
Acompanhei de perto a trajetória desse brilhante ator, desde sua chegada ao Teatro Follies. Tornamo-nos amigos e durante alguns anos residimos no bairro de Vila Isabel e frequentamos o Parque do antigo Jardim Zoológico, onde aos finais de semana levávamos nossos filhos para o passeio matinal.  

Pituca nasceu no ano de 1926 e faleceu no Rio de Janeiro em 1995.


Ruy Cavalcanti vinha da Escola do Duse, de Paschoal Carlos Magno. Era um ator completo,  dotado de excelente voz, que empolgava a platéia com seus dramáticos monólogos.

Lafaiete Galvão era outro estreante, cuja carreira não perdurou.


Merece destaque a formosa e bela Eloína. Ela nos conta num depoimento em seu Blog, com suas próprias palavras:
 “O ano era 1953, quase fim de tarde, eu ia passando na Av. Copacabana em frente ao Teatro Follies no RJ, quando o empresário Zilco Ribeiro e o cômico Colé se aproximaram e perguntaram se eu gostaria de trabalhar no teatro, respondi que sim”...
“Fui convidada a segui-los até o palco onde conheci o coreógrafo Norberto.
Subi ao palco e fui ouvindo as orientações dos três.
Faria um desfile com outras girls num vestido longo enquanto Nélia Paula, a estrela cantava Risque de Ari Barroso, até aí tudo bem, depois com um biquíni amarelo, colarinho, luvas, bengala e sapatos brancos, mais uma cartola preta com uma fita branca seria a vez do sapateado. Norberto perguntou:
- Você sabe sapatear?.”
“Fiz a prova das roupas e desfilei pelo palco. Havia passado no teste. Estava contratada. Estrearia naquela noite! Nem acreditei...” “Se eu não estivesse passando na Av. Copacabana naquela hora, minha vida teria sido totalmente diferente e eu não teria vivido o que vivi nem sido o que fui, mas eu estava passando no lugar certo e na hora certa”.
Eloina foi uma estrela de muito sucesso em nosso país e em Portugal, sua segunda pátria, onde vive até hoje, cuja história vale à pena conhecer, um exemplo de mulher vencedora.
Através destas páginas tivemos a satisfação de reencontrá-la e dela recebemos recentemente um comentário, que sugiro que leiam. Basta clicar em “Apresentação”, onde ela em poucas palavras conseguiu nos contagiar com a sua emoção. 


Aguarde essa nova etapa de nossa história

Parte XV - 1953 - UM MARCO NA MINHA HISTÓRIA


Ao início da temporada de 1953, Zilco Ribeiro reuniu toda a Companhia para as primeiras abordagens sobre a nova revista,  "CARROSSEL DE 53". Deveria estrear e aproveitou o ensejo para saudar-me.
Nesse ano eu atingira a maior idade e segundo suas palavras, era chegada à hora de tomar mais juízo e parar com as  molecagens praticadas durante a temporada do ano anterior. 

Realmente ele tinha razões suficientes para aquela advertência, não era raro o dia em que eu não inventava algo que surpreendia o elenco com minhas peripécias.

As Galharufas

Entre algumas eu me lembro, que vez por outra eu obtinha da Confeitaria Milca, situada ao lado do teatro, uma lata vazia de óleo, a qual enchia com areia da praia. 
Preparava então um pacote embalado para presente e designava um dos estreantes, ansiosos por conhecer celebridades, pra que levasse o referido presente à suposta estrela aniversariante, no caso a Mara Rúbia,  que adorava esse tipo de sacanagem.

O pobre coitado, não media esforços para cumprir com aquela tarefa. Mara Rúbia agradeceu e solicitou ao portador daquele belo presente, cujo peso era de aproximadamente 20 quilos, para que se dirigisse a Rua dos Artistas em Jacarepaguá e procurasse o secretário. Sem perceber,  o nosso emissário retornou ao final do dia conduzindo sobre os ombros o pesado pacote, suado e cansado, alegando não ter encontrado o destinatário indicado pela Mara Rúbia.
Naquele dia  sua ausência foi notada pela diretora do espetáculo Renata Fronzi, a qual topava esse tipo de brincadeira, conhecida como as “Galharufas”.
Trata-se na realidade, do tradicional trote aplicado aos novatos, até hoje adotado no meio teatral. Somente o Zilco não gostou da brincadeira e logo soube tratar-se de mais uma do Casimiro (Manekolopp).
O portador era um dos maquinistas do espetáculo, o qual a partir de então se tornou mais conhecido pelo apelido de “Geraldo Galharufas”.

 A Churrascada  

Lembro-me que certa vez, num dos intervalos de uma matinê de sábado promovi uma churrascada no subsolo do teatro. Aproveitei como combustível sobras de madeira utilizada na construção dos praticáveis (utensílios de madeira utilizados em cena).
Passados alguns minutos o teatro exalava uma fumaça asfixiante, a qual se propagou por todo o Edifício Safira e o Corpo de Bombeiros fora acionado por um dos moradores.
Zilco Ribeiro fora avisado e a bronca foi geral, tivemos que apagar o fogo da improvisada churrasqueira e o churrasco, cuja carne ficou mal passada, todos apreciaram e nada sobrou.

Pugilato entre mulheres
No Elenco o clima era de total harmonia, somente uma vez presenciei uma cena de violência entre as Girls. Não me lembro o motivo, soube apenas que fui o pivô dessa encrenca.
Tilda Jordan havia feito uma fofoca sobre mim ao Zilco Ribeiro e Gene de Marco ouviu a conversa, ela era uma paulista do tipo selvagem, a mais bela entre todas e partiu pra cima de Tilda. Parecia uma fera e foi preciso que vários se juntassem para apartar aquela cena de pugilato na hora do espetáculo.

Maria da Grória 

O teatro de revista atraia o grande público da época, não somente pela exuberância dos corpos seminus das mulheres, mas também pela apresentação de inúmeros talentos, como o Mesquitinha, Oscarito, Grande Otelo, Colé, Silva Filho, Pedro Dias, Ankito, Manoel Vieira, Walter e sua irmã Ema D’Ávila, Dercy Gonçalves, Violeta Ferraz e outros.

Também através dos espetáculos de revista eram lançadas as principais músicas de sucesso, interpretadas pelas principais vozes, como as de Francisco Alves, Vicente Celestino, Nelson Gonçalves, Dalva de Oliveira, Marlene, Emilinha, Colé e Celeste Aida e muitos outros que ainda pretendo citar.

Ao contrário da opereta, que segue um roteiro com princípio, meio e fim;  o teatro de revista ou teatro de variedades, como é conhecido em Portugal, é uma colcha de retalhos, cujo roteiro reúne os mais variados tipos de representação, onde os números se alternam entre o prólogo apresentado em grande gala, a Vedete e demais dançarinos.

A seguir vinham os cômicos ou cantores, geralmente à frente do pano de boca, um artifício empregado para que maquinistas e contra-regra montassem o cenário do quadro seguinte.


Nessa alternância corria o espetáculo, o qual se encerrava com  apoteótico final, momento em que todo o elenco se apresentava para receber os aplausos e as inúmeras corbelhas de flores enviadas por admiradores apaixonados.


O sucesso do espetáculo dependia da reunião de inúmeros fatores, inclusive da repercussão provocada pela opinião dos críticos, manifestada através dos jornais matutinos e vespertinos da época.

O título atribuído à revista era uma importante chamada, quase sempre escolhido as vésperas da estréia. Os empresários ficavam atentos aos últimos jargões  e notícias do dia e daí tiravam proveito como tema.  

 "Eu Quero Sassaricar", nome escolhido por Walter Pinto, originário da marcha a de, "Sassaricando", maior sucesso no carnaval de 1952.

“Sassaricar”, um neologismo de sentido malicioso adotado ainda hoje como verbo.
Zilco Ribeiro seguia a mesma linha, em seus espetáculos de revista adotava nomes, cuja chamada tinha haver com os novos neologismos. 
A escolha “Olha o Pixe” com X tratava-se de um novo termo atribuído as criaturas costumeiras em falar mal da vida alheia ou a atitude praticada por alguns críticos como Ibrahim Sued, o qual através de sua coluna social costumava “pixar” figuras da época.
Era comum alterar o roteiro da peça ao longo da temporada, uma simples gafe cometida inusitadamente em cena, desde que fosse motivo de risos, era imediatamente encaixada na peça, inclusive novos fatos do cotidiano que se tornaram notícia eram imediatamente aproveitados.

Um dos acontecimentos mais notórios ocorridos em 1952 foi o da Maria da Grória.
Na famosa Praça do Lido, situada na Av. N. S. de Copacabana, esquina com a Rua Siqueira Campos era o ponto de encontro, onde a maioria dos jovens integrantes do Corpo de Fuzileiros Navais se concentravam aos sábados.

Exibiam suas fardas coloridas e bem recortadas, que atraíam em grande número, as empregadas domésticas de toda a zona sul do Rio de Janeiro, todas esperançosas de conquistas, se possível duradouras ou até mesmo pra casar.

Eis que num desses encontros, a empregada doméstica Maria da Glória, mulata atraente, porém virgem e evangélica sentiu-se atraída pelo naval cujo nome era Daniel. Com esse nome, 
Daniel dizia ser da mesma igreja e daí não foi difícil convidar Maria da Glória para ir ao cinema Metro. Por coincidência o filme em cartaz era “Os Dez Mandamentos” com Yul Brynner. Maria da Glória se interessou pelo tema e pouca atenção dava as carícias que o excitado Daniel tentava aplicar entre beijinhos na orelha e no cangote.

Daniel não se aguentava mais de tesão, abriu a braguilha e  colocou a pica pra fora. Lentamente ele arrastou a delicada mão de Maria da Glória e fez com que ela segurasse a dita cuja.

O naval não sabia o que fazer, pois a donzela Maria da Glória, aos prantos gritou:

EU, MARIA DA GRÓRIA? SEGURAR NO TEU PAU, NUNCA..
.
As luzes se acenderam e todos se voltaram para o casal, Maria da Grória apavorada saiu às pressas e o Daniel ainda com a pica de fora, porém arriada, sem tempo de recolhê-la e puxar o zíper das calças.

O fato virou piada e ecoou por toda Copacabana, foi quando Renata Fronzi, que dirigia o espetáculo sugeriu as dançarinas que ao final de um dos quadros, todas clamassem a uma só vós: 
EU MARIA DA GRÓRIA NUNCA... 

Embora a censura não permitisse completar a frase, todo público percebia e gargalhava diante daquele “caco” que Renata Fronzi, espertamente introduziu.

Teste da farinha

A tensão gerada durante as apresentações no palco era recompensada por outro descontraído espetáculo, o qual simultaneamente ocorria nos bastidores do teatro.
Divertíamos muito, quando os atores Maurício Loyola, Hélio Colonna e Ruy Cavalcanti, nos intervalos de cada espetáculo promoviam em seus camarins, o famoso “teste da farinha”.
Como sempre era eu que providenciava a farinha. 

A Confeitaria Milca, que ficava ao lado do teatro abastecia-nos com todo tipo de alimentação, sucos etc., inclusive a farinha.
Uma vez em poder da farinha, o trio de sacanas espalhava uniformemente a farinha sobre folhas de jornal e todos os rapazes eram convocados para o referido teste.

De Sunga arriada acomodavam o rabo sobre a farinha, a fim de conferir o diâmetro da olhota ou se ainda virgens.

Maria Rita

Nesse ano conheci Maria Rita, moradora no edifício Safira, onde também morava Renata Fronzi e Cesar Ladeira.





Maria Rita, por quem me enamorei, era uma mineira recém chegada de Minas Gerais, contratada como acompanhante de um casal de amigos conterrâneos seus.
O excesso de convívio diário com inúmeras e belas atrizes, associado a minha timidez, me impediram que estabelecesse uma relação mais estreita com elas.

Nesse período fui convocado pela direção do PCB, para atuar  junto ao Comitê Regional da Zona Sul. 


Constituíamos um grupo formado por três secretários:

A médica Dra. Eline Mochel, o ex-marinheiro caçado  e futuro jornalista de “O Globo” Ruy Rocha e eu, como secretário de Agitação, responsável inclusive pela distribuição dos jornais e revistas editados pelo Partido.

A disciplina imposta pelo teatro e o convívio diário com toda a intelectualidade constituída por militantes e simpatizantes do Partido Comunista, foram os mais importantes referencias que obtive em toda a minha vida adulta.

Meus princípios éticos dessa época, não permitiram que atendesse ao pedido de Maria Rita, quando ela me anunciou que estava grávida e iria abortar.

Sugeri que procurasse um local para morarmos e aguardar o nascimento dessa criança.
José Nathan era meu amigo e parceiro nas rodadas de Chope, foi quem nos ajudou na procura da morada. Eu e Maria Rita, provisoriamente fomos morar num quarto situado na Rua Dias da Rocha, em Copacabana, um espaço que alugamos de  um casal, onde somente dispúnhamos do banheiro e uma cama para dormir.

 Fazíamos as refeições nos restaurantes e botecos da área e na falta de grana, o que não era raro, jantávamos no quarto uma variada quantidade de biscoitos sortidos da marca Aymoré.
Foram momentos difíceis que atravessamos, onde dedicava e dividia o meu tempo, entre o teatro durante metade da noite e de dia envolvido com as inúmeras e arriscadas tarefas do Partido.

No dia 30 de agosto de 1954, atordoado ainda com os acontecimentos que abalaram o nosso país dia 24(*), fui surpreendido por um telefonema da Maternidade Escola da UFRJ, situada no Bairro de Laranjeiras, que minha mulher acabara de ter uma menina.
Maria Rita ao pressentir os primeiros sintomas do parto, havia tomado a iniciativa de tomar um táxi e sozinha dirigiu-se à maternidade.


(*)No dia 24 agosto de 1954, o Presidente Getúlio Vargas cometera o suicídio. 

Na impossibilidade de me dirigir de imediato à maternidade, incumbi meu auxiliar, o José Nathan, para que a visitasse e soubesse da hora que teria alta.
Tinha eu então, 19 anos, um jovem que precocemente teve que ir trabalhar como bancário aos 13 anos e nunca mais parou.

Em 1956 nasceu nossa segunda filha Maria Leonor e, assim completamos uma prole de cinco rebentos, os quais somaram-se a outras duas filhas, frutos de dois novos relacionamentos.




São sete filhos, os quais representam para mim, a maior dádiva, resultado de uma experiência de vida, da qual não me arrependo.
   












quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Parte XIV - ELENCO DA COMPANHIA DE ZILCO RIBEIRO


Zilco Ribeiro competia na  época, com Walter Pinto no Teatro Recreio e Carlos Machado nas Boates Night and Day, situada no centro e Casa Blanca, na Praia Vermelha.

No Teatro Follies em Copacabana, ele tornou-se absoluto na seleção de roteiros, escritos por Mário Meira Guimarães, ex-professor do colégio Pedro II,  que abandonou a cátedra e passou a se dedicar ao teatro de revista, na composição de excelentes textos e letras musicais.

Zilco Ribeiro, também soube selecionar para atração de seus espetáculos, as figuras mais talentosas e de maior destaque da época.

No elenco de sua Companhia Teatral incluíam-se bailarinos do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, Vedetes consagradas e as mais belas figuras de moças e rapazes que constituíam o corpo de figurantes e Girls



Zilco Ribeiro competia na  época, com Walter Pinto no Teatro Recreio e com Carlos Machado nas Boates Night and Day, situada no centro e Casa Blanca, na Praia Vermelha.

No Teatro Follies em Copacabana, ele tornou-se absoluto na seleção de roteiros, escritos por Mário Meira Guimarães, ex-professor do colégio Pedro II,  que abandonou a cátedra e passou a se dedicar ao teatro de revista, na composição de excelentes textos e letras musicais.

Zilco Ribeiro também soube selecionar para atração de seus espetáculos as figuras mais talentosas e de maior destaque da época.
No elenco de sua Companhia Teatral incluíam-se bailarinos do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, vedetes consagradas e as mais belas figuras de moças e rapazes que constituíam o corpo de figurantes e Girls.


Nélia Paula


Nélia Faria (Nélia Paula) nasceu na Argentina no ano de 1930, ainda menina veio com Sua formosura e carisma, logo despertou atenção seus pais para Niterói onde passou a residir durante a juventude.

Na exuberância de seus 22 anos, ela atuou ao lado do excepcional ator cômico, Walter D’Ávila, na revista “Olha o Pixe”.

Uma bela criatura que eu sempre admirei, seu semblante irradiava um sorriso franco, muitas vezes não contido em cena ao contracenar com a figura de Walter D’Ávila, a qual lhe provocava ataques de riso.

Nélia somente demonstrava  irritabilidade quando discutia com seu namorado, o ator cômico Colé Santana.

Certa vez, quando atacada de profunda ira, por não poder o alcançar o Colé com uma porrada, Nélia desferiu um murro contra a vidraça da porta de entrada do teatro, cujos estilhaços me alcançaram e me deixaram uma pequena cicatriz em minha mão esquerda.

Nélia Paula viveu seus últimos anos hospedada no Retiro dos Artistas, em Jacarepaguá. Lá ela faleceu ao completar 72 anos. 



Colé Santana


Colé Santana descende de uma família de artistas de Circo, a Família Santana.


Ele nasceu em 1919,  durante uma turnê no interior paulista, quando seus pais, Francisco e Hermengarda, uma dupla caipira circense ”Os Percines”, apresentavam-se na cidade de Cruzeiro, Estado de São Paulo.

Aos 12 anos estreou como auxiliar de palhaço no Circo Dudu e recebeu o apelido de Picolé.

Nos idos de 1940  foi descoberto por Jardel Jércolis e estreou como integrante da Companhia, onde conheceu a atriz Celeste Aída, com quem se casou e formou dupla “Colé & Celeste Aída”, que se tornou famosa na época, que perdurou até a separação.

Conheceu Nélia Paula e por ela se apaixonou. Uma relação tumultuada por frequentes brigas, muitas delas engraçadas. Diante das ameaças da temperamental Nélia Paula,  Colé  refugiava-se no banheiro até que os ânimos se acalmassem.

A relação não durou e Colé se enamorou com a atriz Lilian Fernandes, dessa relação nasceu uma menina.
Nessa época o casal habitava um apartamento de frente com o Teatro Follies e Colé convidou-me para conhecer a linda menina que havia nascido.

Colé brilhou como um dos maiores atores cômicos do país, cuja experiência foi adquirida através da herança circense, como ator no Teatro de Comédia, no Rádio, no Cinema e, sobretudo no Teatro de Revista, onde atuou com enorme sucesso até os seus últimos dias, quando faleceu em 2000.




Walter D'Ávila










CONTINUA

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Parte XIII - MAESTRO JOAQUIM NAEGELE - Homenagem


Capítulo XII

"SOCIEDADE MUSICAL FLOR DO RÍTIMO"
A Escola do Maestro Professor Joaquim Naegele 


Merece destaque o Maestro Joaquim Antônio Langsdorf Naegele, foi uma das mais ilustres personalidades que a história da música do Estado do Rio de Janeiro nos legou. 

Nascido a 02 de junho de 1899, em Santa Rita do Rio Negro, hoje Euclidelândia, 

Joaquim Naegele, desde menino dedicou-se  ao estudo da música, completando sua formação com o Maestro Francisco Braga. 


Em 1942, ele fundou a "Sociedade Musical Flor do Ritmo", situada no subúrbio da Piedade, transferindo-se em 1952 para o Méier.

Como emérito professor, contribuiu com a formação de várias gerações de instrumentistas, inclusive três de seus filhos, Kutz - (clarinete), Dalgio - (trombone) e Wagner - (trompete), que integraram a orquestra "Os Copacabana".

"Os Copacabana"

Alguns personagens ainda hoje merecem destaque, como o Wilson das Neves, Elza Soares, Zéca Pagodinho, Bezerra da Silva e muitos outros, iniciaram sua formação musical na escola "Flor do Rítimo", no subúrbio do Méier.

Maestro Joaquim Antônio Langsdorf Naegele, seu nome será sempre lembrado pela inestimável contribuição que prestou ao nosso país, dedicando sua vida, a formação musical de nossa juventude e a criação de inúmeras Bandas, sobretudo a internacionalmente conhecida, "Campesina Friburguense", onde ele atuou juntamente com seus tres filhos e prestou inestimável contribuição.


Também como militante político e patriota, lutou pelas causas mais nobres do nosso povo, destacando-se, sobretudo, como incansável defensor na campanha do "Petróleo é Nosso", nos anos de 1950.




Nesse período, estávamos engajados nas fileiras do PCB- Partido Comunista do Brasil e, em muitas ocasiões, exercemos tarefas, que nos renderam alguns dias de cadeia.


Joaquim Naegele foi vítima de injustas prisões e perseguições políticas, que o inspiraram na famosa composição, no dobrado "A Voz do Cárcere".

A cidade de Niterói rende singela homenagem ao grande maestro Joaquim Naegele, no Coreto do Parque São Bento encontra-se uma despercebida pelos passantes, uma placa de bronze.

O Mestro Joaquim Naegele faleceu em 03 de março de1986 quando iria completar 86 anos, sua memória, entretanto, continua a nos iluminar e permanece viva na história da música de nossa terra, cuja trajetória se apresenta como importante referencial para toda a juventude musical do Estado do Rio de Janeiro.
.

Orquestra Sinfônica "Campesina Friburguense" 

Executa o dobrado "Rio Qutrocentão"
Autoria do Maestro Joaquim Naegele





segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Parte XI - TEATRO FOLLIES - 1951 - Apogeu



Zilco Ribeiro nasceu em Porto Alegre, onde viveu até os 18 anos. Aos 21 anos ingressou na Força Aérea Brasileira onde conquistou a patente de Capitão Aviador e o apelido devido à elevada estatura, de “Espanador das Nuvens”.

 Atuou como  instrutor de voo até 1949, quando requereu baixa, devido à injusta punição, motivada por um pouso forçado em uma praia do litoral do Espírito Santo.

Iniciou a carreira civil como produtor teatral em 1949, no Teatro Carlos Gomes, situado na Praça Tiradentes, no Rio de Janeiro.  
Estreou com a Revista “Quero Ver-Te de Perto” reunindo um elenco de peso, com a participação de Dercy Gonçalves, Oscarito, Renata Fronzi e o coreógrafo dançarino Norbert, seu fiel companheiro e parceiro conjugal.

Terminada a temporada no Teatro Carlos Gomes, Zilco ribeiro transferiu-se para Copacabana, onde passou a residir e ocupar o Teatro Follies a partir de 1951.

 Ao ocupar as dependências do Teatro Follies, Zilco Ribeiro gastou parte das suas reservas com reformas e uma faxina total, que durou alguns meses.

Nesse ano eu atuava como iluminador na Boate Acapulco, no espetáculo “Rapsódia Negra” produzido pelo Abdias Nascimento. Ao final dessa temporada fui procurado pelo secretário (*) de Renata Fronzi e César Ladeira, com os quais trabalhei nas apresentações dos “Cafés Concertos” naquela boate.

(*) O secretário era o “Jaques Perneta”, que foi casado com a filha do Comandante Cândido Aragão do Corpo de Fuzileiros Navais. Em nome do casal, Jaques convidou-me para integrar a equipe, na Companhia de Zilco Ribeiro.




Eu, Casimiro (Manekolopp), era o caçula de 17 anos, o mais novo iluminador do teatro brasileiro.



















Renata Fronzi, diretora e,  também um das protagonistas do espetáculo, contribuiu com sua experiência nessa etapa inicial na trajetória do empresário Zilco Ribeiro



Com participação especial, Renata Fronzi
 interpretava canção, "Ninguém me Ama", autoria de Antônio Maria.






Juan Daniel havia sucateado o teatro, inclusive a rede elétrica, a qual teve que ser refeita e os equipamentos de ar condicionado, cujos compressores tinham desaparecido, restando apenas os dutos de refrigeração.

Zilco Ribeiro não dispunha de grandes recursos financeiros, ele havia gastado boa parcela de suas reservas com a reforma do teatro e apelou para criatividade.


Zilco sugeriu ao seu parceiro, coreógrafo ançarino Norbert, que se encarregasse dos figurinos e da confecção do guarda-roupa, cuja costureira era a experiente Dona Luisa.

Zilco e Norbert dividiram o espaço nobre do apartamento da Av. Atlântica, onde residiam. Ali improvisaram  um atelier de costura e confecção de todo o guarda roupa da peça.





Quanto aos tecidos, eles os obtiveram após uma visita ao empresário Silveirinha, proprietário da Fábrica de Tecidos Bangu e em troca ofereceram a divulgação da Bangu através dos programas distribuídos na platéia.


Uma vez tomadas às providências da restauração, Zilco reinaugurou o teatro em 1952,  com a Revista “Olha o Pixe”.




Renata Fronzi, Nélia Paula, Norbert e Walter D'Ávila, asseguraram o sucesso do espetáculo, cujo elenco incluía outros nomes, como  Paula Silva - Alan Lima - Emílio Castelar - Ruy Cavalcanti e a francesinha Joceline.

A  orquestra era integrada pelos músicos: Maestro Kalua, ao piano - Mario Yabrude, na Bateria - Carlos Alberto, no violão elétrico. 

Três feras com larga experiência no acompanhamento dos espetáculos de revista da época.






 O programa foi diagramado pelo figurinista e ilustrador baiano, Joselito, na época editor responsável da revista de moda, "Vida Doméstica".


Ruy Cavalcante, jovem pernambucano, é também merecedor de nosso destaque.
Uma das grandes revelações da Escola do Teatro Duse e lançado por Zilco Ribeiro.

Guardamos  fortes lembranças de sua brilhante e meteórica carreira, cujos monólogos, adquiriam uma dimensão incomparável e despertavam nas platéias, grande admiração e imensos aplausos. 
Faleceu prematuramente;


Oscar Ribeiro de Almeida de Niemeyer Soares.
Nasceu no Rio de Janeiro, no dia 15 de dezembro de 1907, acaba de completar 104 anos.
Ele ocupa há muitos anos, os dois andares superiores do edifício da Av. Atlântica, posto 6.         Diariamente ainda trabalha no seu estúdio de arquitetura.

Zilco Ribeiro e Norbert residiram no oitavo andar até 1966, quando se mudaram para São Paulo


           
1953 - Estreia a Revista

 "MULHERES CHEGUEI"

Minha querida amiga Nélia Paula,  ao lado de Colé Santana, então namorados, e um elenco da maior qualidade:
Norbert, que esbanjava talento polivalente; Anilza Leoni, Pituca, Ruy Cavalcanti, Lafaiete Galvão, a exuberante e bela Eloina.























Estreia a Revista 
"CARROSSEL DE 53"












CONTINUA




        



sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Parte X - TEATRO FOLLIES - 1949 - Ascensão




Em 1949, Juan Daniel Ferrer construiu em Copacabana o Teatro Follies e com sua mulher criou sua própria companhia.

Juan Daniel, como se tornou conhecido, era espanhol nascido no ano de 1907, em Barcelona, que emigrou para a Argentina com sua família em 1923.

Em Buenos Aires, ingressou no teatro de revistas, como bailarino e posteriormente tornou-se ator-cantor, que se apresentava de cara pintada e cantava Sonny Boy imitando o famoso cantor negro norte americano, Al Jolson.

Em 1929, Juan Daniel emigrou para o Brasil, onde se casou com a atriz argentina, Maria Irma López, com quem teve dois filhos.

No Brasil, Juan Daniel se apresentou como cantor em diversas emissoras de rádio e mais a frente atuou como cantor e diretor artístico do Cassino Atlântico.
Em 1946, o governo Dutra fechou os cassinos e Juan Daniel, desempregado, passa a atuar em circos, em seguida no Teatro Jardel, numa revista ao lado de Mara Rúbia e Renata Fronzi.

Juan Daniel apreciava um carteado e com frequência se reunia com um grupo de parceiros para arriscar a sorte no jogo. Foi quando conheceu  Leopoldo Augusto da Silveira Franca, um dos parceiros de jogo e proprietária da loja situada no andar térreo do Edifício Safira, na Av. Copacabana 1246. Juan Daniel propôs-lhe uma parceria para a instalação de um teatro no referido imóvel, ele imediatamente aceitou e logo iniciaram as obras necessárias para adaptação.

Com o apoio financeiro de Leopoldo, Juan Daniel contratou os melhores profissionais da época, os quais se encarregaram de suprir o novo teatro com cerca de trezentas confortáveis poltronas, um pequeno palco e uma cabine de comando elétrico das luzes de cena.

No subsolo, situavam-se os camarins, onde se acomodavam os atores, os quais durante as horas de apresentação, vez por outra eram surpreendidos por inesperada inundação que transbordava pelos ralos.

O subsolo do edifício Safira dispunha de uma única caixa receptora dos esgotos de todo o prédio, cujas águas e detritos eram recalcados por uma bomba elétrica para a rede de esgotos da rua. 


 Uma operação que não podia falhar, mas que o esperto Almeida, administrador do prédio, propositalmente provocava a pane e se beneficiava com as gratificações e forjadas notas fiscais frias, correspondentes à prestação de serviços; isto é, o Almeida criava dificuldades, para vender facilidades. 


O desconforto era tamanho, que todos tínhamos que caminhar sobre tábuas distribuídas por todo o trajeto entre os camarins e o palco, agravado pelos odores fétidos da merda flutuante.


Apesar das inconveniências apresentadas, as instalações do novo Teatro Follies eram superiores aos demais teatros de bolso existentes na zona sul do Rio de Janeiro.

Em 1950,  o Teatro Follies anunciava na sua fachada, com legendas  em diferentes cores, feericamente iluminadas pela luz do neon, a estréia da exótica dançarina Luz Del Fuego.
 Luz Del Fuego estudou na Europa, de volta ao país, provoca a revolução nos costumes e, Juan Daniel convida-a para inaugurar o teatro.

Com suas apresentações de dança, na época, ela era a grande atração, graças à curiosidade despertada no público, o qual superlotava diariamente o teatro.
Ela foi a primeira naturista do país, nasceu em 1917, na cidade de Cachoeiro de Itapemirim, estado do Espírito Santo.

Em 1967, quando solitariamente habitava a Ilha do Sol,  Luz Del Fuego e seu caseiro foram barbaramente assassinados por dois pescadores assaltantes, seus corpos foram amarrados em pedras e lançados ao mar.

video
Cabe lembrar, que nas décadas de 1940/1960, não havia patrocinadores, os teatros dependiam exclusivamente da venda dos ingressos das apresentações  que ocorriam diariamente com duas seções as terças, quartas e sextas-feiras, nos horários de 20h às 22h e 22h à 00h.  Às Quintas, sábados e domingos ocorriam as matinês das 16 às 18 horas. Segunda-feira era  o dia de folga dos atores, assim, à noite ocupavam todas as mesas dos Restaurantes da Rua Pedro I, na Praça Tiradentes e, a partir de 1957, o “La Fiorentina”, do Leme.

Juan Daniel revelou-se um parceiro pouco confiável  e  Leopoldo designou  seu genro, o Tenente Antônio Carreira, para representá-lo na fiscalização da bilheteria, que por sua vez admitiu a bilheteira Helena, a qual era de sua total confiança.

O Tenente Antônio Carreira, que se tornou meu amigo, até hoje se comove ao relembrar os velhos tempos.

Ele possui todo um passado, cuja história pretendo relatar mais adiante.

Como jovem tenente, era um idealista e admirador de Carlos Lacerda, como tal integrou o grupo da famosa República do Galeão e, após o Golpe de 1964, tornou-se um dos mais importantes empresários da indústria de telecomunicações do país.

Antônio Carreira fundou a "INDUCO" e nesse derradeiro empreendimento teve como colaboradores imediatos os correligionários, companheiros de farda e de aventuras, Veloso e Lameirão. Reúnem os três um histórico que os remete à uma das tentativas de golpe no governo de Juscelino.
 Foram eles os autores do primeiro sequestro de um avião da Panair, desviado em 1956, do Rio de Janeiro  para Jacareacanga, Estado do Pará.



Elvira Pagã, cujo verdadeiro nome era, Elvira Cozzolino,  nasceu em 1920,  na cidade de Itararé, São Paulo, era paulista de nascimento e carioca por adoção. Faleceu no Rio de Janeiro, em 2003.

Junto com Luz Del Fuego, ela Integrou o elenco da “Companhia Juan Daniel”, no Teatro Follies.


Elvira Pagã era um mito sexual, como estrela do teatro de revista disputava a liderança com Luz Del Fuego.



Em 1950, Elvira lançou o biquíni na praia de Copacabana e foi eleita como a primeira Rainha do Carnaval carioca.

No Natal desse mesmo ano,  posou nua para uma foto e enviou-a  como cartão de boas-festas para os amigos e demais personalidades da época.



Elvira Pagão e Luz Del Fuego, seguramente foram as principais estrelas capazes de mobilizar platéias advindas dos mais longínquos bairros do subúrbio do Rio de Janeiro e outras plagas deste país. Foram ambas as principais responsáveis pelo sucesso financeiro do empresário Juan Daniel, que perdurou até  fins do ano de 1951.

Nesse ano, Juan Daniel, que era um mau pagador,  acabou sendo expulso do Teatro pelo então,  proprietário do imóvel,  Tenente Antônio Carreira. 

Desistiu de ser  empresário e ingressou na TV, onde integrou como produtor na equipe do Boni, o José Bonifácio de Oliveira Sobrinho. 

Zilco Ribeiro foi o novo parceiro de Antônio Carreira, desta vez  um colega de farda,  um ex-piloto,  instrutor de vôo da FAB,  que acabara de ingressar no teatro como o mais novo empresário. Uma história que nos deteremos em capítulo próximo. 

AGUARDEM!